domingo, 12 de outubro de 2014

Das Poesias Nefastas e Sombrias

Visualizações:


A poesia às vezes sombria
como a alma noturna
que cala e vislumbra
o silêncio distante das estrelas,
o sorriso intrigante da esfinge,

o mistério antigo das pirâmides,
o amor proibido de Édipo,
as flores dos jardins babilônicos,
os rifes da guitarra de Hendrix,
o piado sinistro da coruja,

os símbolos herméticos da magia,
as cores aquareladas do fim do dia,
o revoar depressa do beija-flor,
a sensação fulgurante do amor;
a poesia às vezes sombria

como o verso negro do necromante
que invoca fórmulas infernais,
que recita estrofes e feitiços
que são macabros como a dor dos mitos,
que são aziagos como os ecos do grito,

que são nefastos como a voz do erudito,
que são funéreos como o rito maldito
de descalabro, obnóxio mortífero;
a poesia às vezes sombria
como a inércia controversa da alegria.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...