quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Proto-Plasma-Cataclísmico

Visualizações:



Caóticos pulsares e destroços
dos restos dos cães alados
que vomitavam morte e lava
entre os casulos das borboletas de plutônio.

E as efígies cantavam apocalipses
e  ressoavam nos tímpanos de urânio
dos cogumelos-álamos da destruição;
e os olhos do ancião lacrimejavam sangue.

Homens comedores de almas e flores
tão exóticas dos vasos sanguíneos
entre todos os glóbulos supra-espaciais
das doenças que regeneram a carne.

Sou como uma poesia-vulcão em erupção
tão erudita e maldita que mata o ser;
sou um cataclismo nos campos férteis do além,
além vida, além morte, além de toda convicção.

E nos campos enteógenos da papoulas
as veias estufadas de um proto-mundo
de um protozoário alienígena incomum
que se alastra pelas incógnitas do amanhã.

E nas curvas da última esquina mais um final...


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Salvador Dali- Nascimiento del Nuevo Mundo (1942)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...