sábado, 8 de dezembro de 2012

Noites e Solidões tão Sombrias

Visualizações:



Mergulho na noite nefasta
que a vida desgasta sem dó nem pudor
e na fresta do tempo contínuo
em solidão a pino eu falo da dor;

que insana consome minh’alma
e varre minha calma
em ventos constantes calados
sussurrando no ouvido meu fado.

Mergulho em noite funesta
sem prazeres nem festas
nos cumes de desgostos
que consomem meu rosto;

que olha febril nos espelhos
pensando no nada de nada sem nada
jogado em calçada e cabeça ao meio-fio
tremendo de frio e calor do inferno.

Enfrento essa noite insensata
sem balas de prata; e nenhum lobisomem
só a alma do homem cansado da vida
seguindo na lida lambendo a ferida;

que inflama e apodrece
nem cura nem padece
essa carne consumida
resquícios de lembranças perdidas.

Enfrento essa noite presente
infeliz e incontente
nesse medo incontinente
de morrer sem seu beijo;

que é o que eu desejo
e é o que eu preciso
mas ainda eu não tenho
e assim me contenho.

E mergulho nas noites funestas
em solidão doente e nefasta
e o auge de tudo já não interessa
pois o que me resta é a saudade de ti.


Jonas Rogerio Sanches 
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...