segunda-feira, 4 de junho de 2012

Vivenciando

Visualizações:



Vivo espreitando as frestas desse paradoxo,
dos eus e vocês contidos e compactados;
vivendo dentro dessa caixa de pandora,
prestes a ser aberta para o esclarecimento.

Vivo entre as lacunas do tempo e espaço,
caçando estrelas e vaga-lumes encantados;
desabotoando flores em jardins babilônicos,
suspensos em varais e cabides de um mundo órfão.

Vivo e morro, perscrutando as portas infinitas,
que me levam de dimensão em dimensão;
caminhado por entre os degraus da consciência,
ressuscitando junto aos amanheceres outonais.

Vivo e morro sem pedir socorro, nu e extasiado,
despido dos sete velhos corpos mundanos;
colhendo pirilampos em pradarias galácticas,
e plantando sonhos em um campo de gerânios.

Vivo quase vívido, alucinando as mortalhas febris,
entre as arestas de um organismo quase morto;
pluralizando as células de um porvir existencial,
desmembrado de qualquer entidade desconhecida.

Vivo o tempo das flores, murcho ao sol da vida,
padeço em sede de voos alienígenas, como pluma;
pairo entre os solstícios e equinócios, em plenilúnios,
e abraço os anéis de um sistema planetário em colapso.

Vivo e morro em incontáveis funerais vazios de eu mesmo,
caminho entre as lápides na campa dos asteroides embriagados;
e acendo todas as velas, oro todas as preces antes de partir,
e num entorno místico continuo a minha própria continuação.

Vivo, morro, desintegro e integro o grande Todo,
nessa antiga peleja inacabável, derretendo em luzes
todas as partículas que restaram, germinando o amanhã;
e colhendo todos os destinos que escolhi no meu sono restaurador.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Um comentário:

  1. Parabéns pelo belíssimo blog e pelas lindas

    poesias, abraços.

    Ivanildo Assis.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...