terça-feira, 4 de junho de 2013

Veredas Ocultas da Alma que Caminha Eternidades

Visualizações:


Enveredando-me por campos vejo uma porta
que pelos dias carregam as noites e infinitos
e no horizonte nuvens de sonhos no céu transbordante
se misturando em luas e sóis e meus sentimentos.

Enveredando-me por amores impossíveis e bucolismos
vejo nascer no âmago o fogo azul e o lirismo
que move a pena e que bebe a tinta amanhecida
nas folhas dispersas dos cadernos velhos da minha vida.

Raros momentos são os que ficam nos olhos guardados,
nos olhos da alma, pois a visão do corpo é luz refratária
nascida aos reflexos singelos complexos indeferidos
que pediam em um lápis de ponta afiada o seu abrigo.

A ideia oclusiva dos versos descritos são indiferentes
pois, ainda resta um bocado de caminhos a serem idos
pois, ainda existem um bocado de livros a serem lidos
e nas serestas a serem escritas versos polivalentes.

Enveredando-me pelas veias do sangue da terra
eu bebo da força do cosmos no leite da virgem
e derramo nas linhas meu olhar de sal e mercúrio
então, encerro hermeticamente meu espírito em mim.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...