quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Soneto ao Canto Triste lá na Gaiola

Visualizações:


D’um sopro fresco o olor da natureza
regando a flor na leve dor, suspiro
e um arfar tão doce qu’eu respiro
relembrando o ensejo de uma tristeza.

Tão longe o olhar desse meu pensamento
que vaga a estrada batida da vida
deixando marcas sulcadas na lida
e um rastro espesso desse movimento.

São noites, são dias, dentro dos espelhos;
mergulhos profundos no lago de mim
reflexos convexos de olhos vermelhos

e um canto mestiço de um mandarim
atravancado e surrado à sua gaiola
pois sua liberdade o homem degola.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...