quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Prantos à Mãe Natureza

Visualizações:


Lágrimas e um par de olhos castanhos
que observam os ferimentos mundanos
e na fenda da pedra na montanha, sangue;
sangue do homem, sangue da terra, sangue de mim.

Algum pranto tornou-se catarata pela face
que ressecada pelo tempo, vê o sofrimento
da natureza já não mais intata, já corroída,
carcomida pela fome humana de sempre querer mais.

Lágrimas de uma centena de olhares divinos
que infelizmente já não interferem mais;
e é só a roda kármica a girar, contando o tempo,
contando os pecados e as árvores cortadas no talo.

Lágrimas e um par de olhos castanhos
tão chorosos pelos ferimentos à natureza
mas, ainda há pássaros, fugiram para meu beiral,
fugiram para a cidade, na mata já não há lugar para animal.

Desmatamentos, prantos, ventos, poluição;
toda ganância incontida, ações sem coração, sem reação,
e a nossa mãe, lar magnânimo em formosura,
renascerá, e o maldito homem padecerá em amargura.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...