quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Explosões e Embriões Telúricos e Oníricos

Visualizações:



É a explosão da própria explosão
dos embriões e dos quase mortos
e dos átomos telúricos espaciais
que se alimentam dos vermes do amanhã.

E é a mesma casta na campa encardida,
todos já tão deteriorados que dissolveram-se
e, as estrelas nem luzem tanto assim
o céu é pesado de ascos plúmbeos.

Semente de gente que jorra nos ralos
e, a proliferação atômica é o veneno
e, eu andei chorando páginas de limo
na frente de um espelho trincado e escasso.

Na beira da via láctea um imenso cheio e vazio
de desconhecimento, e temor é o que não falta
e dor é o que não falta e o amor falta as vezes
e rechaçadas foram as efígies platônicas.

Eu deliro e conspiro contra os insetos mortos
e no subterrâneo os olhares carcomidos
são de todos os flagelos e de todos os dias
e, o versículo seguinte é de um cataclismo.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...