quinta-feira, 13 de setembro de 2012

O Gosto Amargo das Madrugadas

Visualizações:



Degustando a madrugada crua
entre as teclas e as estrelas
e surge a poesia raiz do verso
onde a flor noturna é o inverso.

Degustando sons silenciosos
de um vento repleto de penumbra
e mistérios escondidos e medonhos
que o poeta caça em seu âmago.

Irreal é a noite eterna
e meus suspiros são cansaço
minutos de inexistências
onde a morte é um sorriso.

E o paladar é sensível
separa cada gosto essencial
ao método correto do ritual
e as pálpebras são pergaminhos.

Se o sol retornar eu não morri
mas definharei de saudade dos astros
e a tinta da história é puro sangue
refazendo todas as noites um novo final.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...