sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Meia-Noite

Visualizações:



Embriago-me com o sangue da terra
Nessa meia-noite com as armas em riste
Projetando sombras fantasmagóricas
Pelos vãos da cortina velha e rasgada

Todos os gritos vãos me cansaram
Calo-me então e gargalho pelos cantos
Sem temer os olhos que me vigiam
Sem colher os narcisos murchos na varanda

Resta-me um derradeiro suspiro ainda
Nessa meia-noite ressonante e aguda
De bizarros murmúrios do lado de fora
Então me afogo em mais um gole

Mas a garrafa me diz ao pé do ouvido
Somos apenas nós nessa meia-noite
Nem as estrelas vieram compartilhar
Dessa penumbra que nos envolve

De pitoresco somente o olhar no espelho
Em meio à barba desfeita e mal aparada
Onde sei que ainda existe uma criança
Que caminha solitária em direção ao infinito


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

3 comentários:

  1. "...Sei que ainda existe uma criança solitária que caminha em direção ao infinito."

    Verso impactantemente lírico...Aflito...

    Gostei muito do seu blog,Jonas,estou a partir de agora,também seguindo-o.
    Abraço,poeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Barthes, bom dia!!!
      Muito obrigado pela visita e pelo comentário, fico feliz em saber que gostou do meu blog...
      Grande abraço!!

      Excluir
  2. a minha vontade é nada dizer, porque o texto nos cala... mas tenho que dizer da beleza e profundidade que conseguiu atingir, aqui, poeta...bjuuu

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...