segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Açucena

Visualizações:


Me deleito em teu olor imarcescível,
oh açucena; tuas cores ternas ostentam
a beleza calmosa e velutínea do jardim,
oh açucena! Musa fausta e alentosa

se derrame com tuas pétalas em mim;
e na tênue e purpúrea tez perca o pejo
e, se derrame tenra em caule arqueado
qu’eu me derramo em ti qual beija-flor.

Me deleito ao sorver do teu mel,
oh açucena; tua doçura faz o peito fremir,
perco o leme e o lume no acerbo da escuma
e me perco em ti como a alma na bruma.

Oh açucena! Me inquieta estar longe de ti,
na distância meu pranto é canto arguto,
no teu pólen meu ser é xucro e aragano
mas, sem ti torno-me soturno e gaudério.

Oh açucena! Deixe-me morrer no cerrado;
em teu colo macio e orvalhado,
oh açucena; deixe-me morrer de amor
beijando com ardor teu seio de campônia.


Jonas R. Sanches

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...