segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

V.I.T.R.I.O.L

Visualizações:


A vela que queima,
a enxurrada que corre,
uma chuva de bênçãos,
o fogo que consome;

os meus passos guardados
na esfinge do sol,
minha magia calada,
cantada no Estige, buscando o VITRIOL

que separa dois mundo,
vivo e espiritual
e, na lenda a centelha
da luta do bem e do mal.

A vela ainda queima
e a poesia discorre
falando de quem vive,
falando de quem morre;

A vela ainda queima
no leito gélido do sol
que se deita atrás da montanha
beijando as entranhas de um arrebol.

A vela se apaga no centro da terra
e a pedra se oculta no fundo da alma;
a vida então segue singela
bebendo do elixir da existência eterna.


Jonas R. Sanches

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...