sábado, 9 de agosto de 2014

Prosopopeia e Devaneios – Nove Cantos de uma Alucinação

Visualizações:


I

Devaneios e prosopopeias
destituem valores e vontades
e, libertam reais criatividades
de onde vislumbramos paus e pedras.

II

Palavras tão antigas que inovam
o linguajar poético em rebuscamento
e, nessa busca o graal do pensamento
que ressuscitou de hermético sepultamento.

III

Precipitaram-se vozes a esmo
então houveram poetas racionalistas
e, colheram flores lúdicas incolores
dentro de vasos neurais transmissores.

IV

Arrebatamentos nulos irascíveis
e, foram levados os novos trovadores
e, foram tomadas de nós; as poesias,
tão inconcreta como:
meus devaneios e prosopopeias.

V

Devaneios sobre estrelas;
prosopopeias de homens-universais;
alienígenas povoam planetas
tão distantes que fogem a imaginação.

VI

Meu canto ressoou pelo eco das eras
e, foi canto de poeta-asceta-trovador;
houveram cantos de dor e de amor
e, houve um silêncio após as reflexões.

VII

Devaneios sobre máquinas do tempo;
prosopopeias de eternos deuses;
literaturas antigas e novas entrelaçadas
e, poetas mortos ressuscitam com o sol.

VIII

Cantos de querubins entoam os céus
e, harpejados entretêm olhos atentos
que olham as vidas dentro das partituras
dispostas aos olhares do maestro-universal.

IX

Devaneios cantados ao amanhecer;
prosopopeias e auroras e arrebóis
fazem da lúgubre sensação um vil torpor
e, incognoscivelmente tudo ao seu lugar...
Cada letra adormeceu em supra-solidão.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Um comentário:

  1. Lindo texto.Um misto entre os devaneios e a realidade, entre a poesia e a verdade e o mundo vai passando deixando em todos que te leem um pouco de encanto e de quero mais. Visite o Poesia do Bem. Abraços!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...