sábado, 18 de agosto de 2012

Minha Velha Juventude

Visualizações:



Minha velhice tão jovem e razoável
desconcertando os feitiços e magias,
e na esquina dos oceanos o vento
suave carrega sons e perfumes raros.

Minha velhice tão antiga e grisalha
que engoliu todas as cataratas
que abandonaram o cristalino dos olhos
de um tordo magro de penas desbotadas.

Minha velhice contemporânea e febril
contorcendo raízes de salgueiros e ipês,
ornamentando guirlandas na parede descascada
e cantando serenatas na janela do universo.

Minha velhice tão brusca nessa busca
de anos mais convidativos e festivos
onde os sorrisos são obrigatórios
e os caminhos são estreitos e felizes.

Minha velhice carcomida e corroída
pelos dialetos de um tempo esquecido
e pelas barbas brancas de um ancião
que cavalga sonhos em uma cadeira de balanço.

Minha velhice, tão eterna e inacabável;
bebendo juventudes e licores de vida
junto a todas as almas afins e amigas
nesse banquete requintado de sabedoria.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Yang Yi

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...