segunda-feira, 13 de abril de 2015

Sobre o Canto dos Pássaros e as Asas dos Poetas

Visualizações:


Eram múltiplos pássaros
e cada um era sua cor,
era cor de encanto nos seus cantos
invisíveis, maviosos e audíveis.

Eram infinitos pássaros
e em cada asa eram suas liberdades,
vou com os colibris em meus sonhos
vislumbramos além das cordilheiras.

Eram meus pássaros azuis
e cada um fulgia entre nuvens,
pássaros flamejantes de uma canção
que incendiavam os jardins babilônicos.

Gosto de pássaros e de poesias,
ambos são livres como as sensações,
ambos devaneiam pelas cantigas
e fazem da existência uma oração.

Cante pássaro singelo...
Cante a canção veludosa do meu amor
que como um pássaro se aninhou no meu coração
para contemplarmos juntos o infinito.


Jonas R. Sanches
Imagem: O Poeta e os Pássaros - Chagall

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...