sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Em Busca Daquela Flor Eterna

Visualizações:


À flor que sobreviveu ao outono
fiz uma poesia dos dias resilientes
mas, percorri caules e sendas
até poder em uma estrela adormecer.

Quando despertei já era primavera
e nas pétalas da açucena recolhi-me ao frio
então, nasceu o grande amor d’uma vida
que permaneceu até minh’alma partir.

Parti para um céu paradisíaco
mas, no caminho houve purgatórios
que dilaceraram no âmago da carne
e desmembraram-me mil vezes.

Mas, no caminho houve umbrais
que purgaram o veneno do espírito
que cambaleante insistiu em retornar
para novamente adormecer no veludo da açucena.

Mas, no caminho houve infernos
que congelaram até a lágrima salgada
que escorreu pela beirada daquela página
onde os demônios libertaram o amanhã.

Renasci naquele jardim entre flores
e a que amei estava entre outras
mas, reconheci-a pelo olhar velutíneo
então entrecruzamos nossos seres eternamente.


Jonas R. Sanches

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...