domingo, 11 de outubro de 2015

Poesia de Domingo de Manhã

Visualizações:


O sol ainda nem nasceu
mas, o poeta despertou versos
inda sonolentos e bocejantes
aguardando o primeiro trinar
de um pássaro de penas de fogo
de timbres flamejantes
como os de Nina Simone.

O sol bocejou no horizonte
e, agora nascem as primeiras cores
iluminando o rumo leste
mas, o poeta colheu orvalho
e deu de beber ao primeiro pássaro
que gorjeou estridentemente
como o canto de Janis Joplin.

Agora já são as primeiras luzes
redecorando as flores do jardim
que desorvalham violentamente
ao toque do olhar do basilisco
mas, o poeta é o maestro observador
e os pássaros agora são algazarra
como o maracatu de Chico Science.

A orquestra está passando pela rua central
e os moleques descalços festejam o domingo
ziguezagueando como pássaros metódicos
singrando o céu azul  pintalgado de nuvens
mas, o poeta se recolhe ao leito... De estrelas
guardadas em seu ataúde no canto do quarto.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...