terça-feira, 23 de junho de 2015

Soneto do Dia Renascente

Visualizações:


O sol não havia despontado
e a relva era mato orvalhado
os pássaros desadormeciam
e as flores no pastos eclodiam.

O alvor surgia refulgente
nuvens plúmbeas ao horizonte
contrastavam no firmamento
no dilúculo ao pé do vento.

O poeta deitou-se em soneto
pelas letras anódinas da alma
que fulgiam uma enorme calma;

reluzente num nobre poemeto
que verseja ao dia renascente
e acalma o limiar de toda gente.


Jonas R. Sanches
Imagem: M. Ferran

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...