sexta-feira, 5 de junho de 2015

Solilóquio de um Poeta de Asas

Visualizações:


Solilóquio de um poeta insano antigo
falando o verso refletido ao coração
em seus dizeres algures o próprio amigo
em seu mergulho vasto de introspecção.

A mente vaga como um pássaro e o poema
é um emblema de asas e galardão
e flâmula ao vento é o pensamento
que dissimula um’alma pura na elisão.

Metapoema, metalinguagem, metrificação;
ao longe a vida transcrita pela inspiração
e o elã é amplo transcrevendo a vastidão
de universo dentro de um verso de conclusão.

A mente vaga como um pássaro voando ao sol
e uma lembrança de outra infância no arrebol
quando a criança era o retrato da inocência
de um mundo novo devastado pela indecência.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...