quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Dentro da Mente o Infinito

Visualizações:


Dentro da mente há palavras
em turbilhões, querendo sair,
querendo parir, parir poesia
concatenada entre o verbo e o sol

que reponta lustroso e iridescente
e trás a tona o renascer cotidiano,
e trás a superfície das pupilas
o refletir do brilhantismo da vida;

e o verbo conjuga o momento,
o intento do poeta versificar
sobre o eu, sobre o céu distante
entre o umbral e o purgatório

que é retórica da voz pecadora,
mas, não é pecado, é a vontade;
experimentação, experienciação,
evolução emanando do coração.

Dentro da mente infernos e édens
reviravolteiam, entornam em dor
que se faz necessária; o sentir-se
vivo, espesso, escasso, sentir amor

pela flor, pelo pássaro, pelo cão;
trilhar o chão lamacento, louco e são,
descansar a alma em um espelho
com olhos vítreos a se esquadrinhar;

trilhar o chão e, o rebento da estrada
é o não ter final, simplesmente ir,
seguir, transpor, transubstanciar
todo o chumbo que é gravitacional.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...