sábado, 13 de dezembro de 2014

Estranhezas

Visualizações:


Des(construção) da p-a-l-a-v-r-a
ou a re(construção) da palavra,
às vezes a poesia é tão estranha
outras é simplesmente poesia;

minha alma é de poemas cotidianos,
meus dias são poemas observados,
as noites são as estrelas poetizadas
em versos lunares e outros cometas;
sou de poesias e algumas rimas solitárias,

estrofe de um verso só

ou, que seja de dois versos
para complementarem-se como yin e yang;

ou, o ternário
resumido em um terceto.
Pai, Filho e Espírito Santo.

E a natureza do quaternário
como a terra, a água, o fogo e o ar,
norte, sul, leste e oeste
indicando as direções de uma quadra;

às vezes a poesia é tão estranha,
às vezes os poetas são mais estranhos ainda,
caminhantes de vias intermináveis,
viajores de universos de sensações...

Às vezes a poesia é tão estranha.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...