segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Ruptura Simbolista

Visualizações:


Poesia de poeta nefelibata
que voa com a mente transcendente
entre nuvens de verve insensata,
entre o verso subjetivo decadente

que vem de outras flores;
maléficas flores de Baudelaire,
entre demônios e terrores;
entre as agonias e as dores

inexplicáveis e misteriosas;
mistérios fúnebres de Mallarmé,
marginalizações umbralinas de Verlaine
ou, apenas o amoralismo de Rimbaud

e influências sentimentais crescem
entre um verso anômalo e outro
verso, inconscientemente consciente
nos devaneios últimos de Pessanha.


Jonas R. Sanches
Imagem: Gustave Moreau

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...