sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Poesia em Fluxo

Visualizações:


Deveras eu assentir à poesia
pois, ela inda escorre dos seios da vida
e alimenta o ser; corpo-espírito,

fundindo os pormenores da beleza
do movimento da lida,
da serenidade da morte,

ou, apenas o silêncio e o ocaso...
Impetuosamente a poesia em mim,
fulgurosamente plácida

ou revoltosa como o mar
que beija a praia em fluxo constante
e, carrega entre suas ondas a saudade

daquele que partiu,
nostalgia que ficou em rebento
e se escondeu na flor solitária do sertão.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...