quarta-feira, 28 de maio de 2014

Nevoento

Visualizações:


O nevoeiro encobriu o sentimento
e o frio no coração foi como vento
que varreu pra longe a dura sensação
que tapava os estribilhos da canção.

Nessa manhã de soneto inenarrável
ouço o melro com seu canto interminável,
nessa alvorada gelada eclodindo
melodias de mil pássaros sorrindo;

e o poeta versa certo inconclusivo
as belezas dessa aurora radiante
que o faz sentir mais livre do que vivo

quando deixa os devaneios no seu crivo,
quando olha no jardim um novo cravo;
e a luz que chega mansa é o bastante.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...