sábado, 3 de maio de 2014

Da Poesia Rupestre Idiossincrática

Visualizações:


De um verso idiossincrático
uma confissão metamórfica
de uma alma de passado drástico
que viveu vidas antropomórficas.

E da semelhança uma subvenção
de estirpe divina à evolução
do ser que do casulo se libertou
para experimentar a dor do coração.

E os dias passaram ininterruptos
e o espírito vislumbrou maneiras
e os devaneios foram analogias
e na ampulheta a noite no grão de areia.

Foi então que nasceu a rupestre poesia
desenhada na parede da caverna
descoberta pela antropogenesia
então rimada de maneira controversa.

E o homem rústico fez-se poeta
quando à noite assistiu a música do fogo
então rolaram os dados, começou o jogo;
e a vida seguiu seu curso como um rio.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...