quinta-feira, 3 de abril de 2014

Vertigens Arrebatadoras

Visualizações:


Quando eu me pego
em poesia ou solilóquio
viro rima ou colóquio,
eu viro pássaro a voar;

voo rasante então
por píncaros distantes
minha vertigem obstante
traz-me de volta à beira-mar.

Quando eu me pego
em poesia e solidão
viro lágrima no chão,
eu viro rio de corredeira;

então eu corro
por entre pedras pontiagudas
afogo as mágoas e faço a curva,
eu mato a sede do alazão.

Quando me pego
algures pensando nela,
tempos de outrora
quando a vida era bela;

eu vislumbro o seu retrato
sinto seu cheiro, tento seu tato
mas, à distância o sentimento desconfia
e eu calado todavia vejo essa roda que gira.


Jonas R. Sanches
Imagem: Gruber

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...