sexta-feira, 14 de março de 2014

Infinitos Horizontes

Visualizações:


Tão infinitos os horizontes da poesia
quando miro incerto todas as letras
e espalho-as pelos rios que vertem
límpidas águas dos meus pensamentos.

Então empunho a caneta-espada
e encarno alguns poetas falecidos;
àqueles que falaram das flores da morte
que enfeitavam os jardins desfalecidos.

Então recolho-me em minhas profundezas
e deixo-me guiar por vias intermináveis
onde a luz e as trevas se confundem,
onde o amor e a guerra desiludem.

Tão infinitos os horizontes das possibilidades
quando miro sem temor algum o amanhã
que vem e que vai, em busca d’outro amanhã
e assim deixo os ciclos seguirem seu curso.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...