segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Das Canções Infinitas de uma Vitrola Enferrujada

Visualizações:


E a canção soou na mente
de parafernálias e pensamentos;
soou sua voz macia no amanhecer
e acariciou meus tímpanos agudos.

E a canção soou novamente
com notas antigas de um rabecão;
partituras que avassalam corações
partilhadas com a fogueira e o luar.

E a canção soou eterna
e eram de harpas angelicais;
bemóis e sustenidos divinos
entrecortados pela voz da criação.

Canções infinitas alienígenas
em rádios-vitrola superlativos,
em trombetas e guitarras amarelas
no rádio relógio na escrivaninha.

E a canção não cessou e o céu rugiu
e foram leões que assistiam a sinfonia;
e do lado de fora do guarda-roupas
o poeta anotava tudo desapressado.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...