terça-feira, 24 de setembro de 2013

Dos Dias Obscuros

Visualizações:


Foram dias obscuros
aqueles dias solitários
exilado ao campanário
olhando além da espessa bruma;

e lá além vislumbro a escuna
aproximando-se do porto
e meu espírito absorto
querendo a libertação

desses grilhões duros terrenos
servidos em copos de veneno,
servido em versos a inspiração
dos cacos d’algum coração

que foi partido pelo tempo
banhado em fel e sofrimento
mas deixo aqui pobre lamento
grafado em nua poesia;

e a alma aguarda um novo dia
um novo horizonte, novo porvir;
mas quase eu quero desistir
de toda busca inebriante

para voltar a ser como antes
e ter no olhar a criancice
e acreditar nessas crendices
que meus olhos já não suportam mais.

Foram dias obscuros
mas a luz assim transpareceu
e o corpo inerte então morreu
e voei livre por novas paragens

a cantar novas poesias
e espalhar pétalas de mim
e renascer em luz enfim,
para adormecer em seus abraços.


Jonas R. Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...