sábado, 17 de agosto de 2013

Soneto Metamórfico

Visualizações:


Descobrindo-se em mergulho profundo,
envolto em uma luz que ultrapassa
cegando por essa via que transpassa;
transmutando todo o inerte em fecundo.

Caminhando os paralelos do mundo,
despido de cascas e carapaça
de rosto em liberdade sem trapaça;
vislumbre em sentimento furibundo.

Enclausurado em vil metamorfose
sigo tecendo algures meu casulo;
no olhar do mundo, lágrima, coágulo,

se desfazendo em toda plenitude
frente a escasso pensamento amiúde
como animal em sua antropomorfose.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Cruzeiro Seixas - Um mundo metamórfico e crepuscular

Um comentário:

  1. Jonas,como seres em busca da evolução espiritual,estamos sempre nos transformando e,apesar de algumas dores,sempre é boa essa busca.Muito linda e reflexiva sua poesia!Eu que agradeço por sempre me permitir postar seus escritos!bjs e bom fim de semana,

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...