quarta-feira, 3 de julho de 2013

Da Reclusão da Alma na Carne e no Pecado

Visualizações:


Recluso entre letras incandescentes;
crepitando na chama resplandecente
de uma poesia iridescente como o sol
que queima no peito sob a luz translúcida do arrebol,

que é a pura mistura das cores e inspirações
convalescentes de um mal nesses corações
que apaixonados adoeceram em nostalgia,
que já não pulsam com a vivacidade de outros dias.

Recluso às linhas de um caderno farpado e velho;
revigorando em versos as trilhas de um ancião
que ressurge em alma entre uma e outra vida
e, compreende as lutas nessa sublime resignação,

que é sofrimento e de tão ávido já é contento
nessa penumbra que vem do olhar tão resiliente
que comumente as lidas tão vãs e arbitrárias e vividas
e, de toda a superação o aprendizado faz-se real.

Recluso a alcova sem que me mova de algum lugar;
buscando em si mesmo os paradigmas desse luar
que tão prateado inspira até o mais algoz momento
que pela madrugada liberta o espírito do corpo denso

que é tão grosseiro e tão ligado a essa enfermidade
que prende os sonhos, que finca os pés na irrealidade
de todas as buscas pelos caminhos de uma verdade;
que se ocultou a tempos nos pergaminhos dos onze sábios.

Recluso à mística tão intrínseca da eternidade
recordo as parábolas que então repletas de inverdades
encobrem ao vulgo toda pureza dentro as metáforas
que entrelinhas revelam algo entre a transcendência e a mácula;

e na metonímia da magia viva por entre todas as estrofes
o sábio cala e intercala os anseios e os devaneios
e, sua vontade sobrepõem-se a idade de todas as eras
e, a sua lenda pessoal é como um retrato do caos das guerras.

Recluso ao corpo segue absorto esse raciocínio
e, o inconsciente já está ciente dos seus pecados
inenarráveis e tão palpáveis nessas visões
que povoam meus dias, que incitam minhas contemplações.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: The Soul by Mrs Graves

3 comentários:

  1. Bom dia!

    Parabéns pelo trabalho expressivo.

    Abraços
    Sinval

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Sinval, bom dia a ti também.

      Abraço!

      Excluir
  2. Caro Jonas
    Os seus poemas obrigam o leitor a uma completa atenção.Temos de seguir verso a verso,estrofe a estrofe,para o compreendermos.«Recluso(...)crepitando na chama de uma poesia(...)como o sol»;A paixão torna-nos prisioneiros de nós mesmos. Parabéns pela sua vasta cultura,que lhe permite fazer desta poesia!
    Continuação de uma boa semana.
    Um abraço da
    Beatriz

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...