quarta-feira, 12 de junho de 2013

A Última Batalha

Visualizações:


É a batalha dos tempos que vou lutar
cavalgando em cavalos estrelados
empunhando a espada da iniciação
e o sangue lavará e purificará a terra;

e serão todas as hordas no embate
e morrerei entre todas as tumbas
para renascer de estandarte imortal
e um galardão de luz dentro do alforje.

É a batalha dos tempos que vou lutar
e nas entranhas o punhal revelará
todo mal que há de sucumbir aos gritos
e tocarão trombetas ao meu exército.

Pelos campos o aço brandirá feroz
e dez mil me acompanharão famintos
prontos a romper as barreiras e pudores
e cessarão os mil anos de escuridão.

É a batalha dos tempos que vou lutar
e libertarei os grilhões dos meus dragões
e meus cães roerão os ossos dos inimigos
enquanto trovadores fúnebres cantarão promessas.

Então o céu se rasgará em raios
e das nuvens enxofre avassalador;
então, nossas flâmulas colorirão as planícies
e assim a paz será restituída.

E já não haverá deuses cruéis,
e já não haverá pranto e lamento,
somente os olores da nova primavera
e as flores da morte espalhadas ao vento.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: A Batalha de Anghiari - Leonardo da Vinci

Um comentário:

  1. Querido Jonas
    Magnífica imagem para um belíssimo poema,cheio de metáforas, para nos conduzir à Paz. Quero fazer parte desse exército, para poder satisfazer o desejo de«quase» todos os habitantes do Planeta. Só os vendedores de armamento nos enfrentarão.
    Muitas felicitações pela sua ideia.Se todos dessem as mãos e tentassem fazer algo,o mundo seria diferente.Com o seu poema conseguiu chamar a atenção de muitas pessoas para um grande mal que grassa por muitas partes do mundo.
    Continuação de uma semana com muita Paz.
    Um abraço da
    Beatriz

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...