terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Literalmente Poético

Visualizações:



No auge dessa feiura tão bela
do dia chuvoso e à noite gelada
da beira da estrada ou a galáxia
longínqua de universos pessoais.

E a pena que range de ideias
inócuas   ou aquele paradoxo irreal
que nasce em sonhos ou contemplações
do agora ou do antes ou do depois.

E o poema emblema e metáfora
que é alma espalhada que desfaz
os sentidos ou apenas transcende
aquilo que se sente diante da luz.

Que é o saber tão sabido escondido
entrelinhas, entre as vias das lidas
seguidas ou aquela agonia vivida
ou apenas contada pelo narrador.

Que faz de sua dor uma flor
que é vivaz e satisfaz quem olhar sua cor
e o espinho do caule é o furor
quando torna-se usuras análogas do amor.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...