sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Flores Umbralinas

Visualizações:



No umbral açoito a flor do teu querer
que brota em alma morta de cansaço
e as vísceras incólumes a reviver
em vastos infernos de embaraços.

Eu canto e a foice ceifa os corações
que gritam luz e amor nos purgatórios
eu canto e encanto as notas das canções
e em poesias eu versifico o meu velório.

Em braços quentes eu cometi pecados
hoje são braços frios já quase alados
aonde eu adormeço o meu cadáver
aonde meu corpo padece extasiado.

No umbral açoito a flor do seu querer
que murcha e rasga o vento em perfumes
em brasas a alma queima a renascer
em busca de uma paz e um novo lume.

E agora eu canto e ecoo singelas serestas
nos mais profundos âmagos do querer
e agora as minhas ideias são o que me restam
na senda interminável do meu sobreviver.


Jonas Rogerio Sanches

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...