domingo, 18 de novembro de 2012

Fluxos da Saudade

Visualizações:



São cânticos de amor
que ecoam em solidão
e é dorida a sensação
desse vazio platônico;

que até me deixa atônito
e rasga o peito em poesia
pela luz da noite em ditoso dia
e, então me recolho e  me calo.

São carências de sua ternura
qu’em minh’alma perdura
e é intrincado o meu sentir,
chegando a ser lapónio;

em festa no pandemônio
que desce a alma aflita
em busca de um salutar
em busca de se curar.

São complexos dos reflexos
dos espelhos assim distantes
daquele amor de antes
que afagava-me aos montes;

mas chega a ser melancólico
e deixa meu ser abúlico
no meu jardim hemicíclico
que adentra em ares eólicos.

E a cada dia eu tento me conter
mas, é um flagelo que agride o ser,
esse estar distante de você
esse sentir que é um esmorecer.

Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...