segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Dolorosa Realidade

Visualizações:



Descerrei as cortinas do palco mundo
e me deparei com um teatro de angústias
onde a fome e a miséria consomem
as poucas esperanças do pobre homem.

Mortos-vivos caminhando sem rumo.
Tudo errado... Realidade fora de prumo.
Lágrimas sem sal... Corpos sem nutriente;
retrato cruel de um mundo doente.

Manipuladores dando as cartas calados,
e o trabalhador faminto... Desgraçado;
corpos surrados... Sonhos abandonados,
alimentando uma finada esperança.

Almas chorosas... Tristezas que beiram insanidade,
milhares de pessoas dormem nas ruas das cidades
em busca de uma chance... Viver com dignidade.
Eu quero uma cura pra esse mundo de enfermidades!

Mas tolo eu poeta... Com minhas vãs palavras,
triste poeta contemplando essa imundície
deixando gravado nas linhas o desgosto;
poesias caladas e escritas a contragosto.

E o vento varre as cinzas... E leva as preces.
Sentimentos de misericórdia... A quem merece.
E a devassidão esconde as verdades... Nuas e cruas;
mas o poeta descobre-as embaixo dos tapetes.

Desse palco imundo... Resquícios do submundo,
onde as lágrimas correm sem parada... Sem um lenço a enxugá-las.
E o poeta... Ah o poeta! Que grita calado
esses versos de um espírito magoado.


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

2 comentários:

  1. Olá, sou editora do blog: www.cadernouniversaldepoesia.com.br, eu estou abrindo um espaço no meu blog para novos poetas, está a fim de participar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Leylyane, boa tarde!

      Primeiro muito obrigado pelo apreço e pelo convite, pode contar comigo... Como funcionará?

      Abraços!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...