segunda-feira, 16 de julho de 2012

Na Calada do Dia

Visualizações:



Sons diuturnos na enseada
E sibilos de um vento passageiro
A lagartixa mastiga um suculento jantar
E meus olhos ziguezagueiam entre as flores

Na redoma infinita do castelo de areia
Eu sou regente de um exército de borboletas
E compro todas as cores invisíveis dos camaleões
Somente para agradar o deus dos camundongos

Sumidouros no fosso engolidor de jacarés
E as lendas ficaram de barbas grisalhas
Sacis e curupiras cantam em praças urbanas
Em troca de umas moedas de chocolate

Tantos dias e noites sem um peixe no meu anzol
Pois não há mais rios nos legados da minha pesca
Mas eu ainda alimento os pássaros libertos
E eles retribuem cantando em meu pé de laranja lima

Devaneios desvairados em um insano poetar
Escondidos atrás de montes de vasos de heliotrópios
Em diálogos interessantes com uma coruja
Que me conta as suas observâncias noturnas

Então adormeço numa cama de girassóis
E o despertador clama um novo minuto vivido


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...