domingo, 24 de junho de 2012

O Menino da Sandália Amarela

Visualizações:



Chegara mais uma vez o Natal e Erpídio, só no mundo, olhava as pessoas em seu vai e vem por entre as vitrines, pelas vidraças dos restaurantes degustava com os olhos os suculentos pratos que nunca teve a oportunidade de provar, o frio era intenso nas ruas iluminadas de Paris e seus pés descalços estavam arroxeados pela ação cruel do clima hostil.
Imaginava e se perguntava onde estariam seus pais que nunca veio a conhecer, fora ele criado entre andarilhos que e o cuidaram desde que fora encontrado em uma moita enrolado em alguns trapos na beira de uma estrada secundária nos arredores da cidade.
Agora seu futuro sem perspectivas era na sua cabeça um turbilhão de sonhos fragmentados, onde ainda alimentava esperanças de um dia deixar de ser um mero ser invisível que trafegava de praça em praça buscando um recanto seguro para passar suas noites.
Em uma dessas noites estava Erpídio sentado em um banco num lugar bem solitário, onde visitava sempre, pois, sentia-se afagado pelos olores diversos de um vasto jardim em flores que o cercava, foi quando viu se aproximar um senhor bem vestido, com estatura elevada, sua barba bem aparada e já grisalha realçava o brilho negro do seu imponente olhar, reparou que o senhor carregava em suas mãos um belo par de sandálias amarelas e que nos seus lábios ostentava um sorriso um tanto quanto benevolente.
O senhor aproximou-se de Erpídio e disse-lhe com uma voz que continha um alto teor de bondade:
- Que faz um rapaz sozinho e com esse triste olhar uma hora dessas nesse lugar tão vazio?
Erpídio com uma voz cansada e um pouco trêmula respondeu:
-Sempre fui sozinho no mundo meu senhor e muitas de minhas noites passo aqui nesse lugar que gosto e tenho como especial, aqui não me sinto tão só, pois, tenho a companhia deste magnífico jardim colorido e perfumado.
Sentando-se ao lado do menino e lhe estendendo as sandálias que carregava nas mãos lhe perguntou em um tom afetuoso:
-Menino, você gostaria de poder realizar os seus maiores desejos?
De pronto veio a resposta:
-Senhor, tenho tantos sonhos em minha vida e gostaria muito de poder realizá-los, mas, a vida foi injusta comigo e minhas esperanças de um dia poder satisfazer minhas vontades estão se esgotando – e com lágrimas nos olhos completou- Veja senhor, nem um calçado para aquecer meus pés eu possuo, como poderei realizá-los?
Olhando nos olhos marejados do pobre Erpídio lhe perguntou:
-Gostaria de ganhar esse belo par de sandálias amarelas?
E Erpídio respondeu:
-Seria o primeiro presente que eu ganharia em minha sofrida vida, ficaria eternamente grato pelo presente.
-Então elas são suas– disse o homem - entregando o belo par de sandálias ao agora sorridente menino.
Erpídio que já estava com seus pés já em uma condição precária e quase congelados, enrolou-os com umas tiras de um pano aveludado que tirou de um de seus bolsos e calçou as sandálias, em seu peito sentiu uma sensação desconhecida até então, um misto de esperança com uma alegria nunca sentida antes.
Olhando com um sorriso grandioso nos lábios se dirigiu ao senhor:
-Muito obrigado meu senhor por me proporcionar pela primeira vez sentir-me alguém, pois, até esse momento vivia perambulando pelas ruas da cidade como se fosse invisível – e segurando firmemente a mão do homem lhe perguntou- Eu poderia saber quem é o senhor?
O homem com um sorriso misterioso lhe respondeu:
-Eu sou aquele a quem você pede em suas orações por uma vida melhor, eu sou seu pai... Eu sou aquele que os homens chamam de Deus!
E como um lampejo de luz desapareceu da frente do menino, que maravilhado pelo que viu, decidiu pregar a palavra do senhor por toda sua vida, e assim foi feito... E Erpídio com suas sandálias amarelas viajou o mundo exaltando e espalhando a palavra do Senhor...


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...