quarta-feira, 11 de abril de 2012

Tinta Nanquim

Visualizações:



Vou delineando esse palavreado rústico
Tentando divagar num sentimento abrupto
Seguindo devagar o ciclo ininterrupto
E olhando as esferas de luz nesse céu vazio

Vou alimentando as linhas distorcidas
Tentando encontrar o fundo desse mar
Nadando a braçadas sem me afogar
E sentindo a maresia furtar meus sentidos

Vou eu colorindo essa tela fúnebre
Com cores vibrantes de uma vida curta
Morrendo e nascendo em mundo versificado
Pincelando os verbos mais simplificados

Vou nessa semântica inexorável
Nesse linguajar de todos os povos
Livre em poesias adjetivos novos
E a escrita da alma resumiu meus passos

Vou ser paciente com a inspiração
E vou ter com os versos a santa comunhão
Molhando a caneta em tinta nanquim
Descrevendo as horas... Em folhas carmim

E deixarei minh’alma gravada nos papiros...


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Eliége Jachini

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...