quinta-feira, 15 de março de 2012

Verdades Exiladas

Visualizações:



Epifanias enclausuradas em sementes
Na vastidão desse deserto desolado
Onde a chuva se esqueceu de estacionar
Onde os pássaros já não podem mais voar

Conhecimentos escondidos entre as frestas
Dessas muralhas que suspendem até o céu
E o ancião entre as cavernas exiladas
Dorme seu sono enfeitiçado e sem perdão

Por entre as trilhas tortas desse labirinto
Caminha o rei chaveiro do desconhecido
Guardando as chaves de toda sabedoria
O grande arcano reservado ao escolhido

E as transições se acusam por trás das portas
O alienado da loucura planta quimeras
O sol em sangue inocente foi banhado
Para tornarem-se homens dos Deuses aliados

E no escuro de um frio profundo o taciturno
Sem mais palavras em esconderijos noturnos
Olhares duros transparecem ser soturno
Por entre as lápides da campa aonde durmo

Ali calado eu aguardo por meu mestre
Pois nessa vida trago marcas que fortalecem
E as respostas são me dadas ao seu tempo
Vindas ao ouvido sussurradas pelo vento

Somente a lua em cálice à estrela... Brilha opaca
Justificando as cicatrizes e as feridas
Nos pés descalços de uma mente insensata
Nos olhos ávidos de uma busca sensata


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...