quarta-feira, 28 de março de 2012

Secreto

Visualizações:



Escondo-me às vezes desse verbo embrutecido
Torturado pelas falanges falantes... Inúteis
Silencio diante dessas pitorescas vontades nuas
Dos escritos ressuscitados nos livros de papel jornal

Escondo-me às vezes desse mundo judiado
Deteriorado pelas ganâncias pútridas... Do homem
Calo-me diante dessas nuances sórdidas
Das cores opacas e distorcidas pela noite

Escondo-me às vezes desse sol que repele
O fogo consumidor de mentes e pensamentos
Recolho-me à sombra de um deserto noturno
Onde os pecados foram mutilados... Decepados

Escondo-me às vezes do meu próprio eu
Castigado pelas dores incessantes... Contidas
Mergulho nesse poço de incertezas viris
Onde as respostas são apenas palavras vãs

Escondo minhas mãos e meus sonhos
Desfaleço em mares de fúria ardente
Afogo-me nas águas versificadas da poesia
E deixo uma marca indelével na face oculta da lua


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

2 comentários:

  1. Maravilhoso poema, Jonas...
    Tenha um excelente dia, com muito amor!!

    Beijos!♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pelo apreço e pela visita Mari... Abraços e boa tarde!!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...