terça-feira, 20 de março de 2012

Dança Celular

Visualizações:



Todo o ferro do meu sangue virou ferrugem
E a boca do meu estômago ficou banguela
Estrelas cadentes pelo céu de minha boca
Faminto eu fritei as batatas de minhas pernas

E martelei com o martelo de meu ouvido
A casca dura da minha glândula pineal
Meu pé esquerdo do direito é amigo
Lavei as mãos para coçar o meu umbigo

Minha consciência inconsciente observa
Todas as mudanças nessa dança celular
Represei toda a água do organismo
E com meu barco de papel fui navegar

E a menina dos meus olhos sempre brilhosa
Menina violeta sempre doce e charmosa
Que olha meus passos... Tira-me dos embaraços
Afaga-me terna apertando nossos laços

E na meninge os segredos da esfinge
Que em silêncio vigilante se impõe
Assume o risco e ilumina o coração
Que em sua marcha espalha comiseração


Jonas Rogerio Sanches
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...