quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Pétalas Pálidas

Visualizações:



Escute o som desse silêncio que permeia
O vácuo intenso do universo pessoal
Onde pintei milhões de estrelas e cometas
Com tintas velhas numa tela de lençol

Agora olhe e veja as formas do invisível
Que preenchem tudo nesse mundo que criei
Sobre alicerce em dimensões de ruptura
Realidades em tons falsos que perjuram

Sinta o olor denso das flores sem perfume
Que eu plantei junto aos rios da existência
Pétalas pálidas foram tingidas de betume
De um brilho cego sob a luz do vaga-lume

Incoerência em atitudes que aprazem
Nessa loucura onde os olhares se satisfazem
Mas abdico desses sorrisos materiais
Pois me cansei dos caminhos intransitáveis

Venha comigo e olharemos pelos espelhos
Enfrentaremos aquilo que mais tememos
O microcosmo incompreendido interior
Onde os flagelos inconscientes causam dor

Também veremos aqueles homens antigos
Que éramos quando o sol ainda brilhava
Agora somos uma frase mal escrita
Que solitária e indefesa a alma grita


Jonas Rogerio Sanches 
Imagem: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...